Google+ Followers

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Saudades de mim



Um afeto pelas coisas miúdas e invisíveis de repente se instalou em mim. A mulher dura que sorri uma vez por dia. A outra que afaga uma vez por mês. As mãos já tão conhecidas que alisam minhas costas e me falam de coisas corriqueiras e me dão conselhos que eu não posso seguir porque são fáceis demais para dar certo. Às vezes a vida é tão complicadinha.


Acho que estou com saudades de mim e me perco nas horas, sempre tão escassas. Saudades de palavras que não saem para passear e ganhar o mundo. Nesse exato momento, não teria muita coisa para falar. Só para sentir, como quase sempre nas horas escassas ou abundantes. Às vezes eu me pergunto: será que vale a pena? Melhor não ter tantas certezas. Às vezes a pergunta vale mais a pena que a resposta.



Oi: Tetê, Ada, Carito, Débora, Cacau... vixi, não chego a meia dúzia de leitores assíduos... me desculpem a demora e a falta de coisas mais interessante para dizer. Mas tenho andado bem depressa nos afazeres de outras letras e elas têm engolido os passos mais lentos dos meus devaneios. Beijos, com um buquê de afetos.

3 comentários:

Débora Oliveira disse...

Owwwn querida, vc tá desculpada. A correria dos dias nos roubam tempo para os prazeres. Não se preocupe, seus leitores assíduos compreendem bem isso. E sobre o texto, ter saudade, ainda que seja da gente mesmo, é bom, pois é a certeza de que coisas boas ficaram lá atrás e possivelmente as experimentaremos novamente.Abraços, ternos!

:)

Cacau disse...

Só tem um problemão: A SAUDADE DE VC TRIPLICA :( . Mais vc sempre consegue contornar com seus lindos textos que eu adoooro e sempre me deixa leve... Bjsss She (só quero ser intíma,kk)

Carito disse...

Querida Sheylinha: acho que ter saudades da gente mesmo é muito importante! Às vezes a gente sai da gente mesmo e a gente nem se dá conta, né? Então quando a gente sente falta da gente e bate uma saudade é bom! É bom trazer a gente de volta pra gente, é bom identificar a ausência e perguntar por incertas coisas... Responder é que são elas... Elas quem? Elas - as vidas várias dentro desse mistério maior! E como diz a canção: "mistério sempre há de pintar por aí"...