Google+ Followers

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Um livro que atravessa histórias



Coletânea com vários nomes compõe o livro “Travessa da Alfândega” que será lançado sábado que vem.


Como um bom pescador que se põe entre a atenção e a paciência, o editor José Correia Torres Neto, lança no próximo sábado, 17 de dezembro, a coletânea de crônicas, Travessa da Alfândega (Caravela Selo Cultural), no Nalva Melo Café Salão, a partir das 20h. Nesse título ele conseguiu arregimentar textos dos mais diversos nomes de artistas, escritores, poetas, pessoas ligadas a cinema, pesquisas, arquitetura, produção cultural e jornalistas da cidade, tais como: Adriano de Sousa, Alexis Peixoto, Alex Nascimento, Ana Cristina Tinoco, Eliade Pimentel, Franklin Jorge, Lívio Oliveira, Michelle Ferret, Petit das Virgens, Rostand Medeiros, dentre muitos outros. O lançamento vai contar com show do Catita Choro & Gafieira.


Segundo apresentação do livro, Travessa da Alfândega apresenta ao leitor textos distintos entre si, mas que guardam em sua essência, reflexões sensíveis que transitam na literatura, na crítica e na experiência artística e profissional de cada um dos convidados. “Para compor o livro, foram convidadas pessoas de diversos segmentos: escritores, artistas plásticos, jornalistas, fotógrafos, cordelistas, arquitetos, produtores culturais, cineastas e intelectuais. Cada um utilizou de sua liberdade artística para compor uma crônica – ou algo além – que demonstrasse o que lhe sensibiliza, apraz ou até mesmo aquilo que pode deixar um amargor diferente no paladar”, explica o organizador.


A escolha do título do livro guarda certas particularidades que valem ser expressadas. Talvez muita gente não saiba que “Travessa da Alfândega” foi o nome de uma das mais movimentadas e famosas ruas da Ribeira, a “Rua Chile”. Nos idos de 1888 que a Câmara Municipal de Natal publicou resolução que dava novas denominações às ruas da velha Ribeira e, de acordo com o pesquisador Itamar Souza (Nova História de Natal – 2008) a Rua da Alfândega, passara a ser chamada de Travessa da Alfândega. E, em 1902, uma nova resolução dava a denominação preservada até os tempos atuais. “Afeição exagerada ou resgate memorialista” são algumas das razões explicadas por José Correia que o levaram à escolha desse nome. “E todas essas pessoas (os colaboradores) são pedras, são trilhos, são portas e janelas arqueadas como se compusessem a rua de todas as moradas”, arrisca.


Sendo assim, Travessa da Alfândega é mais uma tentativa de dar voz, corpo e sentido às palavras. Aquelas que habitam o universo de quem lê e de quem escreve. Passando pelo meio, atravessando, como o próprio nome sugere, um dos gêneros “mais brasileiros” de que se tem notícia – a crônica – cujo surgimento, alguns arriscam dizer que foi no século XIX, nas páginas dos jornais. E que chega no século XXI com frescor ou fúria de um gênero que cada vez mais se firma e galga as escadarias da literatura.



Travessa da Alfândega - Lançamento
Dia: 17/12
Hora: 20h
Local: Nalva Melo Café Salão, Ribeira
Preço: R$ 30,00


Nenhum comentário: