Google+ Followers

domingo, 5 de janeiro de 2014

Coisas que aprendo nos livros 2


Elegia

Teu sorriso se abriu como uma anêmona
entre as covinhas do rosto infantil.
Estavas de pijama verde,
nas almofadas verdes,
os pezinhos nus, as pernas cruzadas,
pequenina,
como um ídolo de jade
que teve por modelo uma princesa anamita.
Tuas mãos sorriam,
teus olhos sorriam,
o liso dos teus cabelos pretos sorria,
e mesmo me sorriste,
e foi a única vez...


Não pude calçar, com beijos, os teus pezinhos,
e não pudeste caminhar para mim...
Mas é bem assim que meus sonhos te possuem.


Estava no Rio, em um dos lugares que eu mais amo estar: o sebo Berinjela. Já tinha garimpado algumas pérolas quando me deparei com Magma desenhos de Poty. Confesso minha ignorância de não saber até então que o grande JGR tinha um (ao que me parece o único) livro de poemas. Qual não foi maior ainda minha surpresa quando ao folhear o livro do comecinho, como quem se reserva a reverenciar página por página e não ir logo querendo chegar no miolo, no meio ou no fim, me deparo com uma dedicatória assinada - para um certo senhor R.M (vou preservar a identidade desse senhor já que não sei os motivos pelos quais esse tesouro foi parar no Sebo) - que pertencia à filha de JGR: Vilma Guimarães Rosa. Sei não, mas fiquei com a impressão de que tinha um pedaço do escritor aqui em casa.

Um comentário:

Nivaldete disse...

Os sebos e suas surpresas... Mas é preciso faro. E você tem, minha querida. Beijos.