Google+ Followers

quarta-feira, 11 de março de 2015

À espera...



é isso. o horizonte, a fumaça do cigarro, o barulho dos carros vindo da rua, o flagra do meu amigo Ivanízio Ramos que me manda a foto com o apelo "não fume". um momento de silêncio que percorre as angústias por dentro. perscruto meus sonhos, meu cansaço, o desejo de que algo aconteça. visito meu íntimo e danço no sonho de que isso tudo que não tem nome definido, que me apaga parte do que sou, que me reinventa numa esquina barata e sem blues é só uma passagem, é só um vento, uma ventania, um abalo sísmico. vai passar. tanta coisa já passou. tantas folhas já secaram. os galhos envergaram. a raiz permanece sólida. é isso. o horizonte. essa coisa que não tem nome definido, que não acaba nunca, essa coisa que se chama vida, me chama, e eu sigo.

Nenhum comentário: